Imprimir
PDF

Iran faz análise sobre o Projeto de Lei Orçamentária para 2018

Escrito por Valesca Montalvão | Foto: César de Oliveira on .

Pin It

Iran observou problemas na Lei Orçamentária que precisam ser corrigidosIran observou problemas na Lei Orçamentária que precisam ser corrigidosA Câmara de Vereadores de Aracaju realizou, na manhã desta quarta-feira, dia 6, uma Audiência Pública para discutir o Projeto de Lei Orçamentária Anual, que estima a receita e fixa a despesa do Município de Aracaju para o exercício de 2018.

O Vereador Iran Barbosa (PT) participou ativamente de Audiência, acompanhando a exposição dos representantes do Poder Executivo; apresentando sua análise sobre o Projeto e questionando os expositores que participaram da Sessão de Audiência Pública.

Apresentação do Projeto

O Secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão, Augusto Fábio Oliveira, realizou uma explanação inicial sobre o assunto, mas o responsável por expor a proposta de Orçamento apresentada pelo Executivo foi o Coordenador Geral da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplog), José Leilton de Almeida.

Questionamentos de Iran

Aberta a discussão sobre o Projeto, o vereador Iran pontuou a importância da realização da Audiência Pública para debater e esclarecer dúvidas sobre o Orçamento.

O parlamentar fez alguns questionamentos iniciais, sendo eles, principalmente, os relacionados à ausência do Detalhamento das Despesas, o que dificulta uma análise mais minudente do Projeto, dificultando o trabalho parlamentar.

“A Lei 4320/1964 elenca os instrumentos que devem acompanhar a proposta de Lei Orçamentária. Mas, não recebemos esses anexos. Nós, parlamentares, não podemos realizar uma análise minuciosa sem esses dados, que se constituem em uma exigência legal”, observou Iran.

Durante o debate, os representantes do Poder Executivo afirmaram que cumpriram as exigências da Lei 4.320, mas questionam a necessidade de encaminhamento do Quadro de Detalhamento de Despesas. A assessoria da Mesa Diretora, confirmou que os anexos constantes das outras exigências foram encaminhados pelo Poder Executivo, juntamente com o Projeto de Lei, e repassou, na oportunidade, cópias desses documentos ao Vereador Iran Barbosa, que até então, como outros parlamentares, não havia recebido os anexos.

Educação

Iran lembrou que, a partir do ano que vem, de acordo com o Plano Municipal de Educação, deverá haver um investimento de no mínimo 28% de todos os tributos e royalties do Municipio na educação.

“Chamei a atenção para este fato quando discutimos, nesta casa, a LDO, o PPA e quando participei da Audiência Pública, realizada pela Seplog, em 16 de novembro. No entanto, feita uma breve análise do Orçamento, não vejo essa exigência contemplada. Aproveito para lembrar que a emenda que propus à Lei de Diretrizes Orçamentárias  para atender a esse dispositivo legal foi rejeitada pela maioria dos vereadores que, seguindo orientação do líder do Governo, alegaram que isso seria respeitado no Orçamento Municipal. O que vemos agora é a falta de respeito ao Plano Municipal de Educação e uma comprovação de que o argumento utizado não é condizente com a realidade”, disse, pontuando que o Poder Executivo não tem cumprido o mínimo de investimento no setor, que atualmente é de 25% dos impostos e transferências. 

Reajuste dos Servidores

Iran alertou para o fato de que, segundo o que consta na Lei Orçamentária, não há crescimento significativo para os recursos destinados ao investimento em pessoal.

“Já vou começar a dialogar com os Servidores Públicos e com o Magistério. Pelo que está previsto, o que teremos em 2018, outra vez, será apenas o crescimento vegetativo da folha de pessoal, o que nos leva a crer, inadmissivelmente, que, provavelmente, teremos outro ano sem o reajuste do valor do Piso Salarial do Magistério e sem revisão geral dos salários dos demais Servidores, num total desrespeito à Constituição e à Lei”, alertou Iran. 

Por fim, o parlamentar informou que apresentará Emendas para tentar corrigir algumas lacunas existentes no Projeto.