Imprimir
PDF

Iran lamenta morte de Vereadora do PSOL e solidariza-se ao Magistério de São Paulo

Escrito por Valesca Montalvão on .

Pin It

Iran Barbosa apresentou a Moção de Apelo N° 17/2018Iran Barbosa apresentou a Moção de Apelo N° 17/2018O vereador Iran Barbosa (PT) no início da 11ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Aracaju, nesta quinta-feira, 15, solicitou um minuto de silêncio pela morte da Vereadora do PSOL Marielle Franco, do Rio de Janeiro.

O parlamentar lamentou a tragédia e prestou solidariedade aos parentes, amigos, ao PSOL e aos militantes que acompanhavam o trabalho desenvolvido por Marielle Franco.

“Marielle e seu motorista foram mortos a tiros, dentro de um carro, e uma assessora foi atingida por estilhaços. A linha de investigação leva a crer que foi um crime de execução, mais um para figurar na lista das mulheres que quando ocupam espaços de poder e fazem o combate, passam a ser visadas e tendem a ser exterminadas”, lamentou o parlamentar.

“Marielle Franco sempre esteve à frente da luta por Direitos Humanos”, disse Iran“Marielle Franco sempre esteve à frente da luta por Direitos Humanos”, disse IranIran aproveitou para informar que propôs a Moção de Apelo N° 17/2018 à Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro para que tome todas as providências no que concerne à apuração do fato.

“No exercício do poder de vereança, uma líder foi assassinada. Marielle Franco sempre esteve à frente da luta por Direitos Humanos. Estou apresentando uma Moção de Apelo para que as investigações possam garantir a apuração de todos os fatos e a punição dos envolvidos”, disse Iran.

Professores municipais de São Paulo

Iran aproveitou o momento para lamentar, também, o confronto ocorrido ontem, 14, em São Paulo, envolvendo professores e servidores municipais e guardas-civis e PMs.

“No exercício da democracia, os professores e servidores estavam protestando contra o Projeto de Lei que prevê a reforma da previdência dos servidores municipais. De forma cruel, as pessoas que lá estavam foram barbaramente recebidas por ordem do governador e do prefeito, ao passo que o confronto envolveu a Polícia Militar e a Guarda Municipal”, falou.

“Quero protestar contra a forma de tratar os professores que estavam em luta e resistência e saíram feridos”, manifestou-se Iran Barbosa.

Notícias relacionadas