Imprimir
PDF

Violência contra as mulheres é tema de discurso de Iran Barbosa

Escrito por Valesca Montalvão | Foto: César de Oliveira on .

Pin It

Iran apresentou algumas de suas ações que buscam fortalecer o enfrentamento à violência que atinge as mulheresIran apresentou algumas de suas ações que buscam fortalecer o enfrentamento à violência que atinge as mulheresO Dia Internacional de Combate à Violência contra as Mulheres foi comemorado no último dia 25 de novembro. Na mesma data, teve início a Campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, que segue até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Além de destacar a Campanha, o vereador Iran Barbosa (PT), no Parlamento Municipal, nesta terça-feira, 28, aproveitou para também divulgar os dados da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.

Segundo Iran, desde 1991 está marcado no calendário de mais de 160 países esses dias de ativismo. No Brasil, ocorre desde 2003.

“No Brasil, em muitos lugares, essa Campanha inicia no dia 20 de novembro, pois é a data que marca o Dia Nacional da Consciência Negra, chamando a atenção para a situação das mulheres negras que sofrem este tipo de violência”, explicou.

Campanha do Laço Branco

O parlamentar pontuou que dentro dos 16 Dias de Ativismo, acontece a Campanha do Laço Branco, que tem como objetivo envolver os homens no ativismo contra a violência que atinge as mulheres.

“O seu surgimento decorreu do massacre de 14 mulheres, ocorrido na Escola Politécnica de Montreal, em 1989, quando um jovem de 25 anos assassinou mulheres estudantes e depois cometeu suicídio, tendo deixado uma carta onde dizia que não suportava a ideia de ver mulheres estudando engenharia, área que, segundo seu entendimento machista, deveria ser reservada aos homens. A campanha surgiu para mostrar que existem homens que são contra este tipo de visão de mundo e que se opõem a qualquer forma de violência contra as mulheres”, afirmou Iran.

Dados

Trazendo esta realidade para Aracaju, Iran Barbosa divulgou dados da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. O estudo compõe um trabalho realizado para os 16 Dias de Ativismo.

“Os dados revelam que 26,39% das mulheres aracajuanas já foram vítimas de violência emocional. Aracaju, no quesito violência sexual, está em primeiro lugar com mais casos em relação às demais capitais, com um número de 4,31% de mulheres vítimas”, disse.

Ainda segundo a pesquisa, Aracaju é a terceira capital com o maior índice de violência contra as mulheres, 46,67%, ficando atrás apenas de Maceió e Recife.

“São dados que nós precisamos ter acesso para que a partir deles possamos formular políticas que enfrentem essa realidade, não podemos ficar silenciosos. Os dados em Aracaju são bastante preocupantes e desse diagnóstico devem surgir ações”, defendeu Iran.

Proposituras

Ainda durante o seu discurso, Iran destacou que, buscando fortalecer as ações de enfrentamento à violência que atinge as mulheres, já apresentou um conjunto de iniciativas.

“Somente nesta Legislatura, fui autor da Resolução que criou a Frente Parlamentar em Defesa da Mulher e dos Projetos que instituiu a Semana Municipal Maria da Penha e estabeleceu diretrizes para a Política Municipal de Prevenção e Controle da Violência Contra as Mulheres e para a Política Municipal de Atendimento às Mulheres em Situação de Violência”, informou.

Notícias relacionadas