Imprimir
PDF

Iran repudia uso de violência na Coroa do Meio e denuncia tortura no Mercado Municipal

Escrito por Valesca Montalvão | Foto: Gilton Rosas on .

Pin It

"Todos esses fatos precisam ser apurados com muita profundidade e transparência""Todos esses fatos precisam ser apurados com muita profundidade e transparência"Após um final de semana marcado por um cenário de guerra instalado contra as famílias da ocupação ‘Marielle e Anderson Vivem’ e a denúncia de ação de tortura praticado por agentes da Guarda Municipal no Mercado de Aracaju, o vereador Iran Barbosa (PT) manifestou seu veemente repúdio aos atos que atentam contra a dignidade humana e o cuidado com a vida.

No Parlamento Municipal, nesta terça-feira, 15, Iran protestou, afirmando ser inadmissível o uso da truculência como resposta à luta pelo direito à moradia. O parlamentar lembrou que, no local que foi palco da ocupação de famílias sem moradia, estavam mulheres, crianças, jovens, adultos, idosos, pessoas com deficiência e gestantes que reivindicavam um direito garantido pela Constituição.

O vereador, que acompanhou no último sábado, 12, o momento de cumprimento da decisão judicial que determinou a reintegração de posse, defendeu que um problema de ordem social não pode ser tratado como um problema de caráter criminal.

“Ao final, parece que obtivemos um razoável processo de entendimento. No entanto, não podemos apagar o caminho que foi percorrido até este momento. Durante esse período, aqueles que ali estavam não foram ouvidos e tratados como sujeitos de direitos, mas sim como invasores”, disse Iran.

“Na sexta-feira, uma ocupante gestante foi alvejada por uma bala disparada por um armamento letal que, segundo denunciado, teria sido disparada por um Guarda Municipal. E, no sábado, assistimos a uma ação que poderia ter sido menos traumática se tivesse havido mais habilidade por parte da Administração Municipal de Aracaju”, afirmou.

“Tenho o maior respeito pela Guarda Municipal e sua função constitucional é proteger os bens, serviços e instalações municipais. Sei que nos quadros dessa instituição têm pessoas valorosas e ciosas da sua verdadeira função. Contudo, não se pode admitir como natural esse tipo de ação marcada pela visão militarizada, que quase põe fim à vida de uma jovem mãe”, asseverou.

Tortura

Ainda durante o seu discurso, o vereador Iran narrou mais uma ação de brutalidade atribuída a agentes da Guarda Municipal.

Segundo Iran, chegou ao seu conhecimento que o cidadão Irivan de Assis, militante social conhecido em Aracaju, foi agredido com requintes de tortura, também no sábado, no Mercado Municipal da Cidade, sob a alegação de desacato a autoridade.

“Quero repudiar o que fizeram com Irivan, que é muito respeitado e conhecido. Após uma abordagem truculenta, um cidadão denuncia que foi torturado, humilhado e ameaçado”, contou Iran, detalhando o relato.

“Todos esses fatos precisam ser apurados com muita profundidade e transparência. Esses episódios denunciados não podem ser poupados de severas críticas. Ao contrário, necessitam de uma investigação profunda, até para preservar a Instituição e responsabilizar exemplarmente os eventuais causadores desses danos irreparáveis. Não podemos ser coniventes com esses tipos de práticas. Desta forma, na condição de vereador e cidadão que não quer ver a Guarda Municipal elencada entre organismos que atentam contra os Direitos Humanos, cobro apuração rigorosa de ambos os fatos”, reivindicou Iran Barbosa, referindo-se ao episódio em que a jovem foi alvejada na Ocupação da Coroa do Meio e à denúncia de tortura praticada contra Irivan de Assis.

Notícias relacionadas