Iran vai ao DER-SE discutir mudanças no tráfego da Rodovia Inácio Barbosa e seus reflexos para a Zona de Expansão

0
142
Para Iran, é preciso ouvir a comunidade local sobre as mudanças sugeridas

O deputado estadual Iran Barbosa, do PT, esteve no Departamento Estadual de Infraestrutura Rodoviária de Sergipe (DER-SE), na manhã desta quinta-feira, 14, acompanhado do presidente da Associação Desportiva, Cultural e Ambiental do Robalo (ADCAR), José Firmo, para dialogar com o diretor-presidente do órgão, Carlos Alberto Araújo, sobre a proposta do governo do Estado, de alterar o sentido de tráfego, aos domingos e feriados, na Rodovia Inácio Barbosa, na região das praias, que passará a ter mão única, com o retorno se dando pela Rodovia dos Náufragos, na região do Robalo e Zona de Expansão de Aracaju. A proposta, segundo a Secretaria de Estado do Turismo (Setur), visa diminuir os congestionamentos no sentido para as praias e já passa a valer a partir do próximo domingo (17).

Na reunião, Iran expôs a necessidade de a comunidade das áreas afetadas serem ouvidas quanto aos problemas que podem ser gerados com essas mudanças no tráfego da região. “Afinal, a medida visa facilitar a vida de quem acessa aquela região aos finais de semana e feriados para o lazer, mas quem mora, efetivamente, naquela área e enfrenta o dia a dia é que sabe o quanto mudanças desse tipo afetam suas vida. Esses moradores deveriam ter sido ouvidos”, externou o parlamentar.

O presidente da ADCAR, José Firmo, que é morador do Robalo, reforçou a fala de Iran, destacando que os impactos serão grandes, especialmente para os comerciantes que operam às margens da Rodovia dos Náufragos, já que o fluxo da ida vai se dar todo ele pela Rodovia Inácio Barbosa. “E os domingos e feriados são dias muito bons para esses comerciantes. Muitos vão perder vendas, até porque estocaram produtos e nem foram avisados sobre essa mudança no tráfego”, alertou.

Outro problema grave apontado pela liderança diz respeito ao possível aumento da violência no trânsito na Rodovia dos Náufragos e nos povoados próximos aos dois eixos viários. De acordo com Firmo, como o retorno de quem for às praias será todo concentrado nessa via, os moradores locais terão muito mais dificuldade de circulação pelo aumento do fluxo de veículos e a possibilidade de acidentes.

“Essa é uma preocupação que precisamos ter e que, certamente, vai ocorrer, porque a gente já vê muitos acidentes normalmente nessas vias. Imagina com essa concentração maior de carros no sentido Sul/Norte, afetando os povoados e os moradores no entorno da Rodovia dos Náufragos”, diz.

Viagem mais longa

José Firmo também apontou a dificuldade dos moradores quanto às linhas de ônibus, que também sofrerão mudanças em suas rotas, já que os coletivos trafegarão numa única mão circular. Quem estiver na Rodovia Inácio Barbosa e precisar se dirigir para o Centro de Aracaju, por exemplo, ficará sem opção, a não ser pegar um ônibus que fará todo o percurso, primeiro no sentido Norte/Sul e, depois, até o Terminal da Atalaia, aumentando e muito o percurso e o tempo de viagem.

“São preocupações reais e que poderiam ter sido discutidas com a comunidade antes da medida ser tomada, porque ela vai afetar e muito a vida das pessoas que vivem naquela região. Essa proposta vem a beneficiar um certo grupo de pessoas que acessam a região nos finais de semana e feriados, mas prejudica, e muito, os moradores da região, que sequer foram ouvidos”, lamentou Firmo, pedindo o apoio do DER-SE para buscar uma solução.

Por sua vez, Carlos Alberto Araújo se mostrou sensível aos problemas relatados, mas informou que o órgão não é o responsável direto pelo projeto, estando envolvido apenas porque as duas rodovias em questão são estaduais e estão sob sua competência. Informou, ainda, que na próxima terça-feira (19), haverá uma reunião na Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurbs) para avaliação conjunta, com todos os órgãos envolvidos, sobre as mudanças no tráfego para a região das praias.

O deputado Iran Barbosa aproveitou para pleitear que nesta reunião possam participar representantes das comunidades envolvidas, para que também possam expor as suas impressões, o que vivenciaram e apontar sugestões quanto às mudanças propostas pelo governo.