Mandato de Iran participa de audiência sobre a CPI do Derramamento de Óleo no Nordeste

0
231
Óleo chegou a diversas praias sergipanas, afetando o meio ambiente e vários setores

Na tarde da terça-feira, 04, a assessoria do mandato do deputado estadual Iran Barbosa, do PT, participou da Audiência Pública virtual promovida pelo deputado estadual da Bahia Marcelino Galo (PT-BA), que tratou dos resultados do arquivamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI ) sobre o Derramamento de Óleo no Nordeste.

A audiência contou com a presença de pesquisadores, pescadores artesanais, representações políticas e de movimentos sociais, entre outros segmentos. Na ocasião, foram apresentados estudos sobre a distância da origem do óleo em relação à costa brasileira e os impactos gerados nos ecossistemas marinhos e nas comunidades costeiras.

Waldson Costa, ambientalista e assessor do mandato do deputado Iran Barbosa

Waldson Costa, ambientalista e representante do mandato do deputado Iran Barbosa, realizou uma fala apresentando os problemas ocorridos no estado de Sergipe com os pescadores artesanais, as marisqueiras, e quanto afetou o turismo local, além das dificuldades encontradas pela população que sobrevive da atividade pesqueira com a falta de assistência do Governo Federal no processo de retirada do óleo na costa e nos estuários sergipanos.

“Mesmo após meses de retirada do óleo, o governo federal não apresentou nenhuma resposta sobre o ocorrido e, com o arquivamento desta CPI, poderá ocorrer uma ausência de responsabilização dos reais causadores desse dano ambiental no Nordeste brasileiro”, apontou o ambientalista.

A Audiência Pública teve como encaminhamento a apresentação de estudos que possam apresentar informações relevantes para uma nova CPI, e, assim, obter informações e ações concretas para a fiscalização e melhoria ambiental da costa nordestina, como também buscar resguardar todo o sistema costeiro do Nordeste de novos desastres ambientais como o ocorrido em 2019.

A Comissão que investigava o derramamento de óleo no litoral nordestino teve seus serviços encerrados sem qualquer resultado prático no início de abril deste ano, depois que os deputados federais não votaram em plenário a prorrogação da CPI e acabou ultrapassando a data limite imposta pelo regimento da Câmara.